CONTATO

Endereço

Rua Pedro Nolasco da Cunha nº 363. Bairro: Jardim Avelino. São Paulo-SP

CONTATE-NOS

(11) 948992598

© MarissolRios.com.br |Health Coach | Desenvolvido por Nelson Bisquolo Jr.

IDOSOS, SARCOPENIA,

PREVENÇÃO E TRATAMENTO

A população mundial está envelhecendo, a estimativa para 2025 é de um aumento de mais de 33 milhões, esse envelhecimento está associado à redução da massa muscular(Sarcopenia), que representa uma vulnerabilidade fisiológica relacionada à idade.

OPÇÕES TERAPÊUTICAS NA SARCOPENIA

DHEA - aumenta os níveis séricos de hormônios sexuais e IGF-1, mas pode ocorrer piora na sensibilidade à insulina e perfil lipídico.

GH - melhora a sensação de bem-estar, composição corporal e perfil lipídico, a reposição  em idosos não aumenta a força muscular nem potencializa os ganhos com treino de resistência.

CREATINA - eleva o depósito de fosfocreatina no músculo, e aumenta o níveis de adenosina-tri-fosfato (ATP) e fosfocreatina durante o exercício e estudos mostram efeitos quando associada ao exercício.

Acredita-se que a reposição hormonal e a suplementação sejam boas opções para prevenir ou tratar a sarcopenia, gerando aumento da massa e da  força muscular, mas é preciso observar as reações adversas: aumento do hematócrito, retenção hídrica, ginecomastia, hipertrofia prostática e piora do perfil lipídico.

Mas é importante ressaltar que alguns idosos podem ter ingestão alimentar reduzida e necessidades protéicas aumentadas, tornando difícil a obtenção dos benefícios do treinamento de resistência se a nutrição não for adequada.

Estudos com atividade física têm os mais promissores resultados, tanto na prevenção quanto no tratamento da sarcopenia, então a prática de exercícios ainda é a intervenção mais efetiva para aumentar a massa e força muscular em idosos.

Fontes:

Gruenewald DA, Matsumoto AM: Testosterone supplementation therapy for older men: potential benefits and risks. J Am Geriatr Soc 51: 101-15, 2003.

Borst SE: Interventions for sarcopenia and muscle weakness in older people. Age Ageing 33: 548-55, 2004.