CONTATO

Endereço

Rua Pedro Nolasco da Cunha nº 363. Bairro: Jardim Avelino. São Paulo-SP

CONTATE-NOS

(11) 948992598

© MarissolRios.com.br |Health Coach | Desenvolvido por Nelson Bisquolo Jr.

Gravidez parte I

A despeito do fato que de que entre 15 e 20 milhões de mulheres nos Estados Unidos estarem envolvidos em programas de exercícios organizados, há poucas pesquisas relacionadas aos efeitos fisiológicos do exercício durante a gravidez. Há ainda menos pesquisas especificamente relacionadas à prescrição de exercícios e treinamento resistido durante a gravidez. Isto é provavelmente decorrente das dificuldades com controles experimentais, preconceito próprio e preocupações éticas de exposição das mulheres grávidas aos riscos desconhecidos de saúde.Há razões teóricas para crer que o treinamento de potência pode ser benéfico para mulheres grávidas. Por exemplo, desenvolvimento de forças e flexibilidade muscular pode ajudar a compensar as alterações biomecânicas progressivas que ocorrem durante a gravidez, especificamente aquelas relacionadas à fraqueza da musculatura abdominal e à lombar. Além disso, níveis adequados de força e flexibilidade provavelmente contribuem para aumentar a capacidade para minimizar os exageros posturais, tais como cifose torácica e lordose lombar, ao quais frequentemente acompanham a gravidez. Adicionalmente, o exercício resistido tem demostrado transitoriamente aumentar o controle de glicose nos indivíduos diabéticos tipo II do sexo feminino, e pode ser útil no controle gestacional do diabetes. Dois estudos avaliaram os efeitos hemodinâmicos maternos do exercício isométrico. Assim como era de se esperar, ambos os estudos apresentaram uma elevada pressão arterial sanguínea média, bem como elevada taxa de frequência cardíaca média, na mãe, com exercícios isométricos agudo. Um dos estudos também demostrou que a média aumentada de pressão arterial era causada pela resistência periférica total aumentada. O débito cardíaco era mantido por um aumento na frequência cardíaca acompanhado por uma diminuição no volume de ejeção. Nenhuma mensuração direta das consequências para o feto do exercício resistido foi documentada. Entretanto, Sorensenet al. (1992) demonstrou não haver nenhuma alteração no fluxo sanguíneo na artéria braquial com estresse ortostático, o qual resultou em maiores alterações na resistência periférica total do que o exercício de extensão unilateral do joelho com 15% da contração voluntária máxima (CVM) sustentada até a fadiga.

 

Embora a teoria sugira que haja benefícios ao treinamento de força durante a gravidez, há uma pesquisa que avaliou o treinamento de força em mulheres grávidas. Cada indivíduo (N=452 se exercitando) tinha uma prescrição individual de exercícios que incluía treinamento aeróbio e treinamento de força. O treinamento de força era de treinamento resistido progressivo altamente supervisionado, onde era aumentada quando o indivíduo podia completar 12 repetições. Os grupos musculares treinados variavam entre os indivíduos, mas geralmente incluía os músculos do corpo todo. Mais resultados positivos sobre a gravidez, tais como uma menor taxa de cesarianas, escores mais elevados de Apgar e menor tempo de permanência hospitalar foram observados nas mulheres que participavam da maioria das sessões de exercícios. Não houve relatos de resultados negativos com qualquer indivíduo. As mulheres que estavam se exercitando relatavam subjetivamente uma auto estima melhorada, alívio da tensão, bem como menores desconfortos relacionados à gravidez. Aquelas que pararam de participar do programa por mais de duas semanas relataram maior incidência de dores lombares. Este estudo sugere que a combinação de programas de treinamento de força e aeróbio proporciona benefícios, com riscos aparentemente muito baixo nas mulheres com gravidez descomplicada. Há evidencia teórica, mas não empírica, para sugerir que as mulheres que estão na gravidez mais avançada deveriam evitar movimentos que envolvessem sobrecargas intensas nos limites da amplitude dos movimentos. Isto é baseado na frouxidão articular aumentada devido ao hormônio relaxina, o qual é mais pronunciado na gravidez avançada.

Fonte: Fonte: GRAVES JE, FRANKLIN BA. Treinamento Resistido na Saúde e Reabilitação. Revinter; 2006, 142-143